quarta-feira, maio 15, 2013


A influência da mídia na formação do caráter


As influências que a mídia têm sobre a formação do caráter e da maturidade emocional de nossas crianças é muito grande. O Brasil é o país em que as crianças mais assistem à TV. A média é de 4h50min. Como a crianças fica, em geral, 5 horas na escola, pode-se perceber a gravidade da situação: o tempo de influência da escola e da TV é praticamente o mesmo.

Pesquisando sobre a influência que a mídia tem sobre a autoestima das crianças, perguntei a uma menina de 6 anos de idade se ela gostava de si mesma e se as outras pessoas gostavam dela. Sua resposta foi surpreendente, ela disse que sim, pois gostava dela mesma por ser bonita, e que as outras pessoas gostavam dela por ser bonita e magrinha. Num primeiro momento pode-se achar que a autoestima dessa menina está legal, pois ela gosta de si e percebe os outros gostando dela. No entanto, as razões que justificaram suas respostas são assustadoras. Com seis anos de idade ela já está preocupada com a beleza e com o fato de ser magra. Para ela, pessoas de valor são pessoas bonitas e magras.

Ela, como outras, já é vítima da influência da mídia, da moda, dos concursos de miss, das grifes e de outros contra-valores que lhes são transmitidos diariamente.

Temos que, como pais, como escola, apresentar os valores. Não adianta apenas combater o que está errado, precisamos ensinar o certo.

É claro que podemos falar de moda, estética, beleza e outros fatores relacionados com a aparência, apenas estamos mostrando que não devem ser esses valores que devem dirigir nossas vidas.

Para um melhor resultado na construção de uma autoestima saudável nas crianças, é necessário que você, mãe e pai também tenham uma boa autoestima. Você precisa gostar de si, investir tempo, dedicar-se a coisas que gosta. Valorizar-se. Um pai, por exemplo, pode dizer à esposa: “querida, vou jogar bola sábado à tarde”, sem peso na consciência e sabendo que está investindo em sua saúde mental, além da física.

E a mãe: “querido, vou sair com minha amiga, sexta à noite. Ainda não sabemos aonde vamos, mas vamos nos divertir”.

Esses pequenos exemplos são apenas para evidenciar algo que não é fácil fazer, principalmente para nós pais acostumados a nos entregar de corpo e alma no trabalho e na criação dos filhos, deixando de lado a nós mesmos.

Um pai, ou mãe, de bem com a vida, contagia positivamente seu filho e toca seu coração para que aprenda, desenvolva-se e assuma os fracassos e as vitórias em sua caminhada como ser humano realizado e feliz. Na escola, o melhor presente que seu filho pode ter é ser educado por professores de bem com a vida e de bem com eles próprios. Pessoas felizes.

Não é fácil investir na autoestima, pois a mídia e o consumismo enviam diariamente mensagens contrárias. Uma mulher bonita é chamada de “modelo”. Modelo do que? Se há modelo, tem que haver cópias? As mulheres olham para a “modelo” e se percebem diferentes dela. Sentem um vazio interior e pensam em preenchê-lo. O consumismo sai ganhando, a autoestima, não.

E nossos filhos? Que mensagens recebem? Os programas de TV apresentam constantemente contra-valores. Essas mensagens irão determinar como nossos filhos serão? Irão determinar sua honestidade, solidariedade, respeito e outros valores? Infelizmente, se não fizermos nada no sentido contrário, irão sim. Precisamos construir valores. Gastar tempo com as crianças ouvindo-as, interagindo com elas, ensinando-as sobre valores, princípios, dando exemplos de nossa vida que possam servir como orientadores da conduta delas. Esse tempo de qualidade e de intensidade, vivido com nossas crianças será mais forte que a exposição que a mídia faz sobre os valores. Os nossos valores vencerão.
E, mais tarde, nossas crianças não se afastarão do caminho em que as ensinamos andar.

Fonte: MARCOS MEIER é mestre em Educação, psicólogo, escritor e palestrante. Seus textos encontram-se no site www.marcosmeier.com.br e seus livros no site www.kapok.com.br

20 comentários:

  1. Os filhos repetem os erros dos pais. Pais alienados assim criarão seus filhos. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai Lu, que triste, viu?
      Beijos

      Excluir
    2. Pois é, a falta de qualidade não está só na tv...Bjs

      Excluir
  2. Eu cuido muito a programação que meus filhos assistem!

    ResponderExcluir
  3. Quase morro quando vejo aqueles programas de pequenas misses, e acho que criança nenhuma deveria ser submetida aquilo. Ja basta pra nos adultos sermos bombardeados pela midia, para as crinças é preciso filtrar o conteudo, ja que eles ainda nao sao capazes de fazer isao sozinhos!
    Bjoo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aquela gente é completamente louca. Eu não aguento ver aquilo. Como ninguém faz nada, não é mesmo? Misericórdia!
      Beijos

      Excluir
  4. Nossa, esse texto eh demais!!!
    Concordo ocm cada palvra, temos que ensinar os pequenos o verdadeiro valor das coisas!
    E fiquei triste pela resposta da menina de 6 anos, que de uma forma ou de outra, ja esta influenciada, percebe-se que o mais importante eh apenas a aparencia :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dani, é uma tristeza. Eu fico horrorizada com o que vemos por aí.
      Beijos

      Excluir
  5. Sabe Edi, aqui onde moro posso deixar meus filhos assistirem TV tranquilamente pq sei que nao passa nenhuma cena de sexo, beijo...
    No Br vc ja sabe, as mulheres praticamente paldas na tv e o povo gosta....affff

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui é assim mesmo, infelizmente. Não assisto TV aberta, nem que me pague :-(

      Excluir
  6. Sou da época da Vila Sésamo...rsrs, os programas eram tão inocentes, hoje em dia choca a violência.Meu filho é adolescente e só gosta de game violento, apesar de meus protestos. eu acabo limitando os horários de jogo. fica cada vez mais difícil para os pais lidar com a mídia, só colocando restrições, pois a sociedade está cada vez mais tolerante , aceitando tudo.
    bjos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vera, a minha preocupação é a mesma :-/

      Estou ensinando o meu filho a ver Cinderela de 1950, desenhos antigos, sem "tanta" maldade. Triste amiga, muito triste.

      Beijos

      Excluir
  7. Excelente texto!

    Sabe que o padre que fez meu casamento, vivia falando que "A TV estraga a família".
    Não sejamos tão radicais, mas ele tinha a sua razão, né?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A TV acaba com qualquer coisa. Maldito veículo de comunicação. Essa é a verdade. Bjs

      Excluir
  8. Acho que vou banir a TV da minha vida quando meus filhos nascerem, rs
    Táaaa, eu sei que não é totalmente possivel, mas acho que, cuidar da programação
    já ajuda bastante, e conversar, debater com o filho os assuntos que apareecem na TV.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza. O ideal é ocupar o tempo da criança. Não deixa-la sentir falta da TV. O meu filhote, assiste o que eu coloco. Filmes do meu tempo kkkkkk
      Beijos

      Excluir
  9. só mal caratismo e apologia a sexualidade, mulheres frutas, lek lek e sertanejoo resumem a tv atualmente

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aiesca, programação futil, violenta e totalmente inapropriada. Eca

      Beijos

      Excluir

Obrigada por comentar! Em breve, retornaremos! :-)

 
Copyright 2013 Mamães Vaidosas por Edi Mariano