quinta-feira, junho 20, 2013


A adolescência do bebê

O que é a adolescência do bebê?

Também conhecida como a primeira adolescência ou os “terrible twos” (terríveis dois anos), é uma fase na qual a criança, passa a contrariar e testar os pais. Normalmente, eles querem fazer tudo de outra forma, a "nova" forma deles, e tornam-se resistentes a tudo e a todos. Ser do contra é o lema dos baixinhos. Eles querem fazer tudo na sua hora, do seu jeito e da forma que acharem que convém. Normalmente, a mãe pira, porque uma criança de 02 anos querendo fazer as coisas do seu jeito, dando birra e show na rua, é pra deixar qualquer uma descabelada. 

Alguns exemplos da fase: dizer não para tudo, chorar, gritar, espernear, atirar um objeto em alguém, morder, arranhar, puxar o cabelo e agredir a si mesmo.

O que ocasiona essa fase, é simplesmente o crescimento e desenvolvimento da criança. São muitas mudanças num único período que, para ela, torna-se confusa, cheia de novidades e surpresas. Como ainda não sabem expressar-se para o mundo, elas brigam com ele.

Esses momentos acontecem quando a criança não quer tomar banho, alimentar-se, fazer alguma atividade, sair da frente da TV, ou quando descobrem que um sanduíche e batata frita acompanhado de um brinquedo, tornam-se mais saborosos e divertidos, do que um prato de arroz e feijão. Eles não entendem a necessidade da alimentação correta e acham que nós os punimos com uma comida não desejada por eles. 

Como resolver?
Conversando, muito. A criança não tem plena consciência ou maturidade suficiente para resolver situações novas ou conflitos. Ela quer ser independente mas não consegue tomar decisões sozinhas ou resolver os atritos do cotidiano. O que é simples para nós, para eles torna-se medo e insegurança.

Os bebês adolescentes, conseguem discordar de si próprios. Eles ficam confusos e a situação é frustrante para eles.

Com o meu filho é assim: se eu o chamo de bebê, ele me responde que já é grande. Aí quando surge uma situação e digo que ele já é grande o suficiente para entender, ele me diz: colo, colo e imita um bebezinho mesmo.

E também há a transição de humor constante e o jogo de interesses. Ao mesmo tempo que estão azedos, ficam um doce, se a situação tornar-se favorável aos seus interesses. Se rolar um brinquedo ou uma surpresinha, então, melhor ainda. Repentinamente, tornam-se nossos melhores amigos e fazem exatamente tudo o que pedimos e orientamos. Mas, se a situação é oposta aos seus desejos, pode esperar um escândalo, um show no supermercado, brinquedos voando pela casa e até mesmo, uma mordida à vista.

O que fazer? 
Simplesmente, conversar. Não é nada anormal e com a chegada dos três anos, a tendência é a situação diminuir até normalizar.

A fase é complicada e exige muita paciência. Como somos humanos, erramos e cometemos atos impensados  Por isso, vale o bom senso e a ajuda de quem estiver por perto, para acalmar e apaziguar as partes.

Não vale tapa, não vale surra, não vale gritar na frente de terceiros, o que só piora a situação e constrange ambos os lados. O que vale é um castigo, um momento de reflexão e uma boa conversa entre pais e filhos.

Para tudo na vida, existe solução. E para toda solução, um diálogo que antecede a esta. Então, converse muito, dialogue com o seu filho. E lembre-se que, um dia passamos por isso e nossos pais também. No final, todos sobrevivemos e o agora não será diferente.

Beijos

25 comentários:

  1. O remédio para a adolescência do meu bebê foi a cadeirinha do pensamento,e doses cavalares de paciência... kkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente isso, Josi. É uma fase difícil, mas passa. rsrs
      Beijos

      Excluir
  2. Não sabia dessa fase dos bebês, aprendo muito lendo o blog.
    E sei que esse conhecimento ainda me será muito útil na profissão que escolhi (pediatra)
    O mais importante realmente é o diálogo, que deve ser o primordial na educação das crianças em qualquer fase.
    Bjoo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Laura, essas informações são indispensáveis para o pediatra. Não há outra solução, tem que dialogar e muito, viu?
      Beijosssss

      Excluir
  3. Edi seu post tá ÓTIMO !!
    Explicou direitinho, a mãe pira mesmo rsrs. Eu ainda uso o castigo como punição para o meu filho de 13 anos, antes aviso no máximo 3 vezes (dou chance ) como não faz caso, resultado, fica sem o adorado game.Bjossssssssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verinha, muito obrigada! Nós piramos, perdemos cabelo, unhas, tempo... rsrs
      Tudo pelos filhos, mas não é fácil. Gostei da sua dica de avisar 3 vezes e dar chance, rsrsrs....
      É assim mesmo.
      Deus nos ajude, nos guie, nos dê paciência e compreensão.
      Beijos

      Excluir
    2. Na verdade eu não quero deixá-lo de castigo, (sofro pra caramba, mas me faço de forte ) ,mas ele não obedece, por isso aviso 3 vezes, aí não tem solução, castigo mesmo..Ele tem que aprender a respeitar regras, a aceitar o não.
      Bjosssssss.

      Excluir
    3. Eu sei bem como é isso. Passo pela mesma coisa. Acho que para nós, é 1000 mais difícil do que para eles.
      Concorda?
      Beijos

      Excluir
    4. Muito mais, com certeza!! Eu explico à ele, as vezes aceita, as vezes não. você vai saber bem quando o seu nenê ele chegar na fase difícil, adolescência . Tem hora que eu nem sei mais o que fazer, mas aí paro concentro e me acalmo..rs.
      bjossssss.

      Excluir
    5. Acho ótima essa opção de castigo dói em nós mas necessário

      Excluir
    6. Verinha, estou me preparando para a adolescência dos 12, na adolescência dos 2 anos rsrsrs
      Deus nos dê sabedoria e paciência rs
      Beijos

      Excluir
  4. Nossa, isso tudo é verdade. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lu, verdade verdadeira, como dizem por aí rsrsrs
      Beijos

      Excluir
  5. Adorei seu post!!!!!!!!
    Smrep que chamo meu filho de bebe, ele diz que eh grande e qdo eu digo que ja esta grande para fazer isso ou aquilo, ele fala que ainda eh bebe....rsrs....esperto nao????!!!! rs
    Quero ver com o outro como vai ser, ele ja tem 1 ano e 3 meses e esta naquela fase de que qdo quer, nos temos que dar, sabe?
    Controlo ao maximo para que ele nao fique fazendo birra mas eh dificil...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dani, eu sei e super entendo o que passou e o que está passando.
      O meu ainda está nessa fase. rsrsrs
      Preciso de um disk paciência rsrsrs
      Boa Sorte pra nós rs
      Beijos

      Excluir
  6. Nossa não sabia disso, adorei saber

    Que engraçado ne Edi, muito bom saber como seu filho esta agindo, e concordo plenamente que conversar é sempre a melhor coisa a fazer.

    Mais deve ser uma fase difícil, imagino o jogo de cintura que os pais devem ter

    Um beijao

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thati, coloque aí: jogo de cintura, paciência, sabedoria e coragem. É mais ou menos isso :-)
      Beijos

      Excluir
  7. Acho complicado usar a surra como forma de educação,difícil separar a raiva da correção. Geralemte estamos frustados e com raiva ai desconta ao invez de educar. As vezes pode ser necessário,mas sempre bom senso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, Elaine. Disse a maior verdade. Quando perdemos o controle, perdemos a razão e perdemos a confiança também. Precisamos nos segurar, respirar e entender a criança para aprender a educa-los de forma correta. A primeira correção é a nossa, com certeza.
      Beijos

      Excluir
    2. Quantas vezes vemos noticiários de espancamentos por nada? Me seguro pois depois do 1 tapa difícil segurar o próximo. E tem coisas que marcam a criança uma vida toda !

      Excluir
    3. Nossa, nem me fale. Eu não assisto TV. Não suporto isso.
      Beijos

      Excluir
  8. pq eu não apareço como top comentarista?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Porque você não segue o blog!!!!! :-(

      Excluir
  9. Acho que eu aprontei taaaaaaaanto quando pequena,
    que tive umas 10 adolescências.. kkkkkkkkkkkkkk
    Minha mãe sempre conversou comigo,
    por isso sempre fiz muita arte estando consciente , rsrs

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar! Em breve, retornaremos! :-)

 
Copyright 2013 Mamães Vaidosas por Edi Mariano