sexta-feira, julho 05, 2013


Bullying

Se você tem filhos em idade escolar certamente tem ouvido muito a palavra “BULLYING”. Mas afinal, você sabe exatamente do que se trata? E como agir diante dele? Preparamos um pequeno guia, com perguntas e respostas práticas sobre esse assunto, tão em voga na atualidade. Boa leitura! 

O que é bullying?

A definição mais aceita é que o bullying é um comportamento intencional e sistemático e objetiva causar dor física ou emocional. Geralmente é realizado por uma ou mais pessoas contra outra mais fraca ou com menos poder.
Não é bullying quando uma criança briga com a outra ou quando há troca de xingamentos. Isso é problema de agressividade mal dirigida, mas se não for sistemático, intencional, com desequilíbrio de poder ou força, não é bullying.

Como os pais podem identificar? 

A criança demonstra alguns sintomas em casa: dores de cabeça antes de ir pra aula, sono agitado, irritabilidade constante e reclamações sem sentido como “odeio aquela professora”, “não gosto daquela escola”, “tô sujo porque caí”, “perdi o dinheiro do lanche” e outras fora do comum. Além disso, a criança fica mais retraída e prefere isolar-se. 

Como denunciar?

Antes de denunciar, vale a pena incentivar a própria criança tomar a iniciativa, para que a vitória seja dela também. Falar com a coordenação pedagógica e solicitar uma solução e um prazo. Em escolas menores, a direção deve ser comunicada imediatamente. A criança fala com a coordenadora ou a diretora e explica o que está acontecendo. Imediatamente os pais devem ir à escola e confirmar a história, devem reforçar o pedido de solução. A solução nunca pode ser pontual, pois o bullying é global, problema de todos e não de apenas algumas crianças. Não se deve deixar a criança resolver tudo sozinha. Esse caso é serio e precisa da interferência dos pais. A iniciativa da criança deve ser valorizada, para que ela não tenha uma imagem de si mesma como de “vítima” ou de “coitadinha”.

Qual o papel da escola nestas situações?

A escola madura toma decisões coletivas. Toda a comunidade escolar deve ter consciência do que é o bullying, o que causa, como tratar, como identificar e principalmente como criar um clima de solidariedade em que o bullying seja extinto. Uma escola só vence o bullying quando os pais, professores, funcionários e alunos aprendem sobre causas e consequências do bullying. 

A escola é responsável por comunicar os pais dos envolvidos?

Por lei, tudo o que acontece na escola é da responsabilidade dela. Ou seja, a escola pode ser acionada judicialmente em caso de bullying, pois acontece sob suas dependências. Portanto deve sim comunicar as famílias da vitima e dos agressores. Não apenas comunicar, mas explicar quais as providências que estão sendo tomadas e porquê.

E dos professores?

Os professores precisam receber treinamento para identificar o bullying, para saber como abordar a vítima, como abordar os agressores, como criar um ambiente de inclusão e principalmente como criar vínculos significativos com as crianças para que esse tipo de situação não ocorra. Professores mal preparados podem piorar a situação e acabar traumatizando os envolvidos.

Como tratar uma criança que sofre ou sofreu com o bullying?

Se ela está sofrendo, precisa imediatamente sair da situação de vitima. A autoestima está baixa, seu valor está diminuído perante o grupo e provavelmente seus amigos a abandonaram. Portanto precisamos, nós adultos, ajudar essa criança a socializar-se de forma saudável. Isso deve ocorrer tanto para aquela que está sofrendo com as agressões quanto com a que já sofreu. Nosso principal foco deve ser ajudá-la a melhorar sua autoestima e seu círculo de amizades.

O agressor também precisa ser tratado? Como?

Normalmente as escolas ajudam apenas a vítima e punem os agressores. Erro comum. Os agressores também precisam de ajuda, pois estão com seus valores perturbados. Não percebem o sofrimento do outro ou quando percebem não se sensibilizam com a dor do outro. Esses agressores precisam reconstruir seus valores, seus princípios e adquirir uma visão da vida, do mundo e das pessoas baseada no respeito pelas diferenças e não no preconceito.

Como falar deste problema com as crianças?

De forma mais aberta possível e explicando por meio de exemplos práticos e reais o que é o bullying. Entretanto precisa-se tomar cuidado para não expor uma criança com exemplos ou com relatos. 

O uso frequente da internet aumenta esta prática?

Não aumenta, apenas abre espaço para um novo tipo de agressão: o cyberbullying. Xingar, difamar, caluniar, humilhar pessoas em páginas da internet, por emails, em blogs ou quaisquer outros meios eletrônicos é tão prejudicial quanto o bullying tradicional, presencial.

É possível controlar o uso de ferramentas da internet para diminuir o bullying? 

O controle deve ser de todos, pessoal. Não por meio de softwares, pois o agressor que encontra limitações nos computadores da escola ou da própria casa, vai encontrar outra oportunidade na casa de um colega. Assim, se o trabalho de conscientização for feito pela escola, atingirá melhor os objetivos. Um detalhe: se a vítima for a um cartório e solicitar que seja documentada a agressão por meio de pagina de internet, o funcionário abre a página no computador do cartório, imprime e carimba com a data e assina a folha. Esse papel passa a ser documento perante a Justiça. Essa informação deve ser passada a todos os alunos e a todos os pais. O objetivo é dificultar esse tipo de agressão. 

Como estabelecer os limites nas crianças/adolescentes para evitar este problema?

Deve-se sempre agir com os alunos construindo vínculos significativos e abrindo possibilidades para o diálogo. Quando há essa cumplicidade entre os alunos e os professores, dificilmente uma situação de bullying segue adiante. Se a escola se mantém distante dos alunos afirmando que seu trabalho é apenas curricular, abre espaço para as agressões e passa a ser cúmplice dos bullies (agressores). 

E se a escola se recusa a agir mesmo sabendo da existência de bullying em suas dependências?

Infelizmente há escolas despreparadas e imaturas. Uma escola que permite o bullying afirmando que isso é “da idade”, “normal nessa fase”, “isso sempre existiu, não é de agora” demonstra que não se preocupa com a formação integral de seus alunos, mas provavelmente afirma o contrário em seu Projeto Político Pedagógico. Declara que seu objetivo é o desenvolvimento dos aspectos cognitivos, sociais, psicológicos, etc... mas na prática é cúmplice da deformação e da falta de ética. O ideal é entrar em contato com outros pais e solicitar uma reunião com a direção, e representantes da associação de pais e mestres.


MARCOS MEIER é mestre em Educação, psicólogo, escritor e palestrante. Seus textos encontram-se no site www.marcosmeier.com.br e seus livros no site www.kapok.com.br.

40 comentários:

  1. Amiga sei bem o que é isso!!
    Minha filha sofreu muito no Japão, não queria ír à escola,Ia mal nas matérias.Foi um sofrimento para a família toda.Eu fui a escola por diversas vezes,mas o problema persistia.Era o tal do preconceito contra estrangeiros.
    Bjos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vera, infelizmente é o que mais acontece. Tadinha da sua filha. Ela deve ter sofrido muito e vocês pais então, nem se fala. Eu rezo e peço que isso não ocorra com o meu pequeno. Deus nos ajude!
      Beijos

      Excluir
  2. Os danos que o bullying causa pode perdurar por toda vida

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Josi, pode mesmo. É uma crueldade sem limites.
      Beijos

      Excluir
  3. Bom dia amiga!!!
    Muito bom o texto, é muito bom saber mais sobre o assunto!
    BJs

    ResponderExcluir
  4. Muito interessante mesmo, tenho um sobrinho de 12 anos que está sempre irritado, com dor de cabeça querendo faltar todos os dias, alguns sintomas descritos acima, vou investigar!!! bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Flávia, investigue e o ajude. Que coisa boa que você se atentou ao fato e pode ajudá-lo. Deus abençoe que não seja nada.
      Me avisa?
      Beijos

      Excluir
  5. O assunto "bullying" está cada dia mais nas mídias. Acho que é bom por um lado que as famílias podem conhecer melhor nos seus filhos, perceber mudanças de comportamento e tal. Mas as vezes nas escolas e nas casas os adultos não conseguem controlar as crianças. É um assunto muito difícil de ser discutido...

    Ontem mesmo vi um caso de um jovem que atirou em outros 2 porque disse que sofria bullying... É muito complexo, tem que existir tratamento tanto pra quem sofre o bullying tanto pra quem pratica.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carol
      Como o próprio texto diz, os dois lados precisam de atenção e tratamento. E tem o que diz sofrer bullying e que faz papel de vítima quando na realidade é o agressor.
      Infelizmente o mundo funciona assim :-(
      Beijos

      Excluir
  6. Eu sofri muito quando era criança mais ainda não tinha um estudo sobre isso.

    Sempre fui tímida,envergonhada, gordinha, medrosa.. e ainda tinha dificuldade na escola, vivia no mundo da lua rsrs

    Eu não gostava de ir na escola, não tinha amigas, e sempre me isolavam, me chamavam com vários apelidos.

    As meninas davam risada de mim, ninguém queria emprestar o caderno para que eu copiasse a matéria, nossa Edi desculpa o desabafo mais foi tanto que sofri que eu inventava que estava doente para minha mae não me deixar ir na escola.

    E além de tudo isso eu não queria comer lanche, tinha vergonha.

    Já fiz muitas sessões de psicologia, pq apesar disso ser do passado refletiu muito, eu acho tão importante os pais observarem seus filhos.

    E que todos consigam ver quando seu filho esta passando por esses problemas e possam conversar na escola com diretores e professores.

    Não deve ser fácil, mais assim os pais garantem que não seja traumático para as crianças.

    Parabéns pelo post Edi, vc sempre pensa em tudo

    Beijos (desculpe o desabafo)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thati, que situação triste e marcante, minha amiga.
      Sinto muito por tudo isso. Tenho certeza de que se você passou por isso é porque é forte o suficiente para superar qualquer adversidade na sua vida e evoluir à frente dos demais. Não guarde isso no seu coração e mentalize que isso aconteceu para o seu crescimento espiritual. Eu sei que é sofrido e marcante mas precisamos enxergar por esse lado para não criar um trauma dentro de nós e deixar que reflita negativamente na nossa vida. O melhor é evitar e acompanhar mas como o seu caso é antigo, o melhor é curar-se da ferida e aceitar que você é um ser PERFEITO de Deus, saudável, amado e abençoado!

      Ao invés de gastar horrores no psicólogo, junte esse dinheirinho e gaste com uma viagem ou algo se torne ainda mais inesquecível e que supere esse fato. PROBLEMA não foi feito pra guardar e sim pra solucionar. Se você está sofrendo com isso, tem que tirar isso de dentro do seu peito e nenhum remédio no mundo e nem psicólogo fará isso por você! Tem que acreditar no seu POTENCIAL e na sua vida HOJE!!!!!

      Fique bem <3
      Beijos

      Excluir
  7. Infelizmente o que mais acontece no _Japao eh o preconceito dentro das escolas :(
    _Tenho um primo que sofreu bullying ate pelos professors japoneses, chegaram a bater nele....muito triste!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Será que é por isso que acontece tanta tragédia e tanto suicidio no Japão?

      Excluir
    2. Lá parece que a pressao nos jovens é muito grande.
      No sentido de se estabilizar na escola e conseguir uma boa universidade e profissao, os que fracassam se sentem tao desestabilizados que as vezes fazem esse tipo de coisa.
      Apesar de admirar muito a cultura oriental, nesse ponto acho que eles sao muito rigidos!
      Bjoo

      Excluir
    3. Gente, eu fiquei abismada com o que a Dani disse. Eu não gostei da notícia e fiquei triste :-(
      Puxa vida!
      Beijosss

      Excluir
    4. Mas eh verdade, eh uma triste realidade!!!!!!
      Nao digo que todas as escolas sao assim, mas a escolar que meu primo estudou foi pessima pra ele, no final das contas ele voltou para o Br mas nunca se esquece do que passou por la....

      Os japoneses sao muito sistematicos, as vezes da ate medo!!!!! Triste :(

      Como vc disse Edi, muito suicidio por la...a pressao eh demais!!!!!

      Excluir
    5. Ai Dani que coisa triste. Coitado do seu primo. Fiquei revoltada por ele. Que pecado!
      Beijos

      Excluir
    6. Eh um pecado mesmo!!!!
      Gracas a Deus ele nao ficou traumatizado, hj ele ate ri.....mas eh mto serio isso!!!!

      Excluir
    7. Nossa, é um abençoado! Deus protege seus filhos, seus anjos bons. Amém!
      Beijos

      Excluir
  8. Oi Edi
    Realmente esse é um problema que se tornou comum, são muitos os casos de bullying. Acho extremamente importante que os pais prestem atenção nos sintomas e não pensem que é apenas mania do filho, pq pode não ser, né verdade?
    Muito bom o post.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dani, infelizmente acontece em 100% das escolas. Precisamos ficar atentos e corrigir para que não ocorra o pior.
      Beijos

      Excluir
    2. Vc viu, na novela das 6 Flor do Caribe, estão abordando esse assunto.
      Lembrei de vc...
      Bjs

      Excluir
    3. Não vi Dani! Não assisto TV :-(
      Que legal que estão trabalhando isso.
      Beijosss

      Excluir
  9. Sempre houve esse tipo de coisa, na minha epoca nao existia esse conceito de bullying tao fundamentado.
    Mas realmente esse reconhecimento do problema é o primeiro passo para tentar combater!
    Bjoo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Laura, parece que quando damos "força" para algo ruim, ela só piora/aumenta. Em épocas passadas, acontecia mas não como atualmente. É claro que vemos casos tristes, como o da Thati, mas em suma, hoje em dia a coisa piorou 100%.
      Beijos

      Excluir
  10. é uma situação triste né, as criança que sofrem ficam marcadas e deprimidas, mas tb as criança que pratica, segundo estudos elas tem sua autoestima baixa e precisa fazer bulling para se sentir bem, o que é passado em nossa formação é que devemos cuida dos dois lados, conversa muito sem incentivar a violência, mas é muito difícil!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, Luiza. Os dois lados precisam de atenção, paciência, disciplina e amor!
      Beijos

      Excluir
  11. Eu sofri mto bullying quando estudava, porém na época não tinha essa denominação,é mto triste, só quem passa ou passou sabe o que é.Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa Alyne, que triste. Mas tenho certeza de que você foi e é forte o suficiente pra passar por qualquer adversidade na vida e sair vitoriosa.
      Beijossss

      Excluir
    2. Eu tinha orelha de abano,e o que passei me afetou tanto que me sintia feia e a 8 meses fiz a cirurgia de otoplastia. E só depois me caiu a ficha que o que me faz feia ou bonita não é a aparência e sim a minha essência.Bjs

      Excluir
    3. Alyne, você disse tudo!! Parabéns por ter consciência <3
      Beijos

      Excluir
  12. Meu filho usou como ferramenta para emagrecer, pois foi gordinho e sofria bullying. Mas cada um seu jeito de reagir. Bjs

    ResponderExcluir
  13. Os danos que o bullying causa pode perdurar por toda vida,muito bacana vc postar sobre essas coisas...bju

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O melhor remédio é o dialogo!
      Beijos

      Excluir
  14. A UNS DOIS ANOS ATRÁS EU ME MANIFESTEI NA REUNIÃO DA ESCOLA DO MEU FILHO, FOI LOGO Q ESTAVA COMEÇANDO A ABORDAR ESSE ASSUNTO E FOI MT BOM PQ A MAIORIA DAS MÃES NÃO SABIAM DO Q SE TRATAVA E PASSARAM A FICAR MAIS ATENTAS A SEUS FILHOS, COISA Q SEMPRE FAÇO, CONHEÇO MEU FILHO ATÉ PELO OLHAR,SEMPRE PERGUNTO COMO FOI NA ESCOLA E TALS.OUTRO DIA ASSISTI A UM FILME Q RETRATAVA A SITUAÇÃO DE UMA ADOLESCENTE Q HAVIA ENVIADO PRO MENINO Q ELA GOSTAVA UMA FOTO DOS SEIOS PELO CELULAR E A AMIGA COMPARTILHOU PRA TODOS NA ESCOLA,A MENINA SE SUICIDOU DEVIDO AO BULLING SOFRIDO E A MÃE FOI INVESTIGAR O PQ DA TRAGÉDIA,ANTES NÃO HAVIA PERCEBIDO NADA.ENTENDO O CORRE-CORRE DO MUNDO DE HJ,MAS DEVEMOS FICAR ATENTOS A NOSSOS FILHOS,PQ NA REALIDADE ELES PRECISAM DE NOSSO AUXÍLIO E NÃO DELEGARMOS A OUTRAS PESSOS.ASSIM ACONTECE TBM COM OUTROS PROBLEMAS Q VIRAM DOENÇAS CRÔNICAS,COMO A ANA E A MIA(ANOREXIA E BULIMIA), COMO É CHAMADA PELAS MENINAS NA MAIORIA Q ADEREM ESSA PRÁTICA COMO Q QUASE POR ACASO E DEPOIS NÃO CONSEGUEM MAIS SAIR DESSE MAL Q ATINGE A ALMA DE NOSSAS CRIANÇAS.TEM ATÉ SITES,BLOGS E GRUPOS Q INCENTIVAM ESSA PRÁTICA.DEPOIS VC PODIA FAZER UM POST SOBRE ESSE ASSUNTO.DEVEMOS FICAR ATENTOS SEMPRE AOS NOSSOS FILHOS E SE PRECISO PEDIR AJUDA.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Menina, cai dura com a Ana e Mia. Não sabia que elas chamavam assim e fico muito triste com sites/blogs que incentivam! Pura tristeza e o pior são as mães que não enxergam isso.
      Gostei da sua dica! Pretendo colocar no blog sim :-)
      Obrigada
      Beijos

      Excluir
  15. Depois vou te enviar um video com depoimento de uma menina q mora aqui na minha cidade estou no celular

    ResponderExcluir
  16. Eu enviei o vídeo para o seu facebook e deixei uma mensagem privada pra vc,se quiser pode apagar qndo terminar de ver o vídeo.bjnhus

    ResponderExcluir

Em breve responderei o seu comentário! Obrigada :-)

 
Copyright 2013 Mamães Vaidosas por Edi Mariano