quarta-feira, fevereiro 12, 2014


Postectomia - Fimose

Há muito tempo, eu comentei aqui no blog que o meu filho estava fazendo uso da pomada Postec para tratar a fimose. Pois bem, nesse período muita água rolou e a pomada por assim dizer "funcionou em termos". No começo ela ajudou na abertura e descida da pele, mas depois de um tempo, o seu efeito estacionou. Tanto que a pele criou resistência e apresentou a tal da fibrose. Com acompanhamento do pediatra, tentamos mais algumas vezes mas no final, ele constatou que a pomada por si não resolveria o problema e que a solução definitiva seria a extração dessa pele por meio de procedimento cirúrgico, ou seja, através da postectomia. E como mãe, o coração da gente gela nessas horas, né? Logo surge o medo, a tensão a dúvida e o adiamento do procedimento cirúrgico em questão. A gente vai empurrando com a barriga e enrolando até chegar num ponto que não temos pra onde fugir mais. Depois de alguma resistência por medo, eu e meu marido optamos pelo procedimento e procuramos o cirurgião indicado pelo pediatra. Com uma conversa bem esclarecedora, ele reforça o fato de que é um procedimento simples e ressalta que o que mais leva tempo no procedimento, é a fase inicial, ou seja a sedação e preparação anestésica. Enfim, após muita conversa, realização de exames, consulta e liberação final do anestesista e do pediatra, agendamos o procedimento para ser realizado no período de férias, para que eu pudesse ter mais tranquilidade e tempo com o meu pequeno e para sua total recuperação e conforto.

O procedimento

O procedimento é realizado com sedação e anestesia local. O tempo do procedimento da remoção da pele, gira em torno de 30 minutos a 1 hora. Tempo este que se transforma em pura angústia pra mãe que fica aguardando na sala de espera. Na fase final do procedimento, a região leva alguns pontos absorvíveis, o que ajuda muito e evita o desgaste da sua remoção, para a criança e para a mãe. Na saída do bloco, a criança é encaminhada para a sala de observação, onde os pais podem acompanhar o repouso da criança até a completa recuperação da anestesia e sedação. Nesse período a criança já foi assistida e já está medicada, evitando dor local e incomodo pela remoção da pele. Normalmente o procedimento ocorre pela manhã e no final do dia a criança recebe alta. Em média a recuperação leva em torno de 15 dias, fato este que não aconteceu por aqui. No 2º dia, Dudu já pulava tanto que nem parecia ter passado por procedimento cirúrgico. O que o entregava era o fato de no final do dia, estar andando de pernas abertas. Não preciso comentar mais nada, né? A cena é um mix de comédia e de dó do pequeno, por ter pintado e bordado em pleno pós cirúrgico. 

Enfim, eu imaginava que o processo de recuperação fosse mais complicado e que a criança sofresse com muita dor, incomodo e lembranças do procedimento. Mas, graças ao sedativo ainda na sala de espera (um xaropinho), a criança já entra cambaleando no bloco cirúrgico e depois disso não tem absolutamente lembrança nenhuma do procedimento em bloco. Ela vai voltando aos poucos, fica tonta, confusa e só vai saber o que aconteceu depois que volta da anestesia e sente um incomodo no local, mas nada que o deixe inquieto e em estado de sofrimento. Pelo menos no caso do Dudu, não foi assim. Graças a Deus!!!!! Eu também esperava um sofrimento ao urinar, mas o que aconteceu foi o medo de sentir dor e isso conseguimos reverter conversando tranquilamente com ele, até que conseguiu soltar o  primeiro jato e ficar mais tranquilo e seguro para terminar o seu xixi, sem dor e sem queixas.

Para quem ainda passa pelo mesmo, ressalto pela minha experiência que, o importante é ter a certeza da necessidade do procedimento através da indicação pediátrica, juntamente com a recomendação de um bom cirurgião pediátrico que terá a missão de transparecer segurança e "tranquilidade" para os pais da criança. Se a mamãe e o papai não sentirem segurança e não confiarem no médico, podem e devem procurar outro. Afinal, ele será responsável pela vida do bem mais precioso que temos a zelar.

Beijos



 

10 comentários:

  1. Que bom que deu td certo!!!!!!!
    Estou pensando em fazer no meu filho pq vira e mexe ele tem uma inflamacao tambem..
    Mas como vc eu tbem sei como eh esperar em uma sala enqto o filho esta sendo operado...da uma dor, um aperto no coracao e vontade de entrar na sala de cirurgia junto nao eh?!
    Preciso tomar coragem e fazer no meu menino tambem....
    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Dani
      Aí na Indonésia, eles costumam fazer esse tipo de procedimento? Menina, se chegou no ponto da inflamação, não espere mais. Você está adiando a melhora do seu pequeno e o fazendo correr o risco de ter outras complicações. O médico me explicou tudo e fiquei arrependida de não ter feito antes, sabe? Corremos um risco desnecessário.
      Pense direitinho e converse com um especialista.
      Dê notícias, ok?
      Beijos

      Excluir
    2. Aqui ja eh costume esse procedimento, quase todas as criancas fazem!
      No meu filho, as vezes amanhece inflamadinho e depois de algumas horas passa mas isso acontece de vez em qdo mesmo, ele teve agora e a ultima vez q inflamou foi com 3 aninhos...
      Mas vou leva-lo ao medico, assim como vc, vou esperar a epoca de ferias da escola...

      Excluir
    3. Nossa, Dani. Procure um médico mesmo!!! Aproveite as férias e fique tranquila, amiga.
      Beijos

      Excluir
  2. Apesar de não ter filhos, tenho sobrinhos e todos já fizeram esse procedimento. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que 90% dos casos acaba em procedimento, Ruthinha. O bom é que resolve e a criança não sofre mais.
      Beijos

      Excluir
  3. Tenho priminhos que fizeram!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É a solução definitiva, né?
      Beijos

      Excluir
  4. O meu filho tinha fimose (para mães de primeira viagem isso quer dizer que o pinto não arregaça). Concordo que "arregaçar" é uma expressão horrenda mas é assim que o Dr.se refere ao fenômeno e quem sou eu para contrariar.... Bem, voltando ao tema, ontem foi dia de irmos ao urologista e ficamos sabendo que afinal a pomada que usamos há uns meses para ver se a coisa vai lá sem cirurgia está fazendo efeito. E não imaginam a festa que foi naquele consultório perante a primeira arregaçada (credo)! Depois da extraordinária descoberta, o Dr. explicou que agora tínhamos que pôr a pomada duas vezes ao dia, com a pinto arregaçado, e que o meu filho devia sempre arregaçar para fazer xixi e para lavar, no banho, e que quando o pinto ficar duro deve arregaçar também pois só se nessas circunstancias o menino percebe se sente dor ou não. Perante tanta informação, e com tanto arregaçar, devo ter feito uma cara de anormal. Mas o que importa é que pinto do meu filho já arregaça. O engraçado é que ele ficou orgulhoso com a novidade Um orgulho tão grande que ontem saiu do banho com o pinto duro e me mostrou" Olha mamãe, meu pipi já arregaça", Depois, foi correr para a empregada aqui de casa e só não fez o mesmo porque eu cheguei a tempo. Nada como um pinto que arregaça, para deixar uma pessoa feliz!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Carla
      Tudo bom?
      Menina, adorei o seu post! Suuuuper explicativo e claro!
      Fico feliz que tenha dado certo para o seu filho e que ele se isente da cirurgia.
      Deus abençoe o seu anjinho!
      Morri de rir com a atitude dele. rs
      Beijosssss

      Excluir

Em breve responderei o seu comentário! Obrigada :-)

 
Copyright 2013 Mamães Vaidosas por Edi Mariano