quarta-feira, abril 30, 2014


Leite materno no Brasil tem um dos menores teores de DHA no mundo

Leite materno no Brasil tem um dos menores teores de DHA no mundo

A amamentação é um vínculo indispensável entre mãe e filho, que protege a criança contra várias infecções e previne a mortalidade infantil. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) o leite materno é um alimento completo e deve ser exclusivo durante os primeiros seis meses de vida. Além de conter anticorpos, fatores imunomoduladores e anti-inflamatórios que não podem ser reproduzidos, o leite humano é fonte de DHA (ácido docosahexaenoico), um lipídio da série ômega-3 que promove o desenvolvimento cognitivo e visual na infância, e que perdurará por toda a vida.

Por mais de uma década cientistas de todo o mundo têm demonstrado os benefícios desse lipídio durante a gestação e amamentação. “O DHA, é um nutriente importante para o desenvolvimento do sistema nervoso e retina. Já nas primeiras semanas de formação do feto, ele participa da construção dessas estruturas, que continuarão se desenvolvendo durante os primeiros anos de vida,” explica o Dr. Mário Cícero Falcão, pediatra e nutrólogo, professor da Faculdade de Medicina da USP. “Para o bebê ter acesso à quantidade ideal do nutriente é necessário que a mãe faça a ingestão de alimentos ricos em DHA na gravidez e lactação.”

Leite materno no Brasil tem um dos menores teores de DHA no mundo


Um estudo brasileiro publicado na última edição do Jornal de Pediatria, um dos principais periódicos científicos da área, analisou o leite humano de moradoras da região de Ribeirão Preto (interior de São Paulo) e mostrou que o leite destas mães continha um dos menores teores de DHA no mundo, apenas 0,09%, enquanto a média preconizada pela OMS é de 0,3%. “Isso tem relação com a alimentação dos brasileiros. A principal fonte desse nutriente são peixes marinhos como a sardinha, atum, cavala e salmão. Mas sabemos que nas regiões interioranas o consumo desses alimentos é mais limitado,” diz o pediatra. “Entre os nutrientes presentes no leite humano, no Brasil, o baixo índice de DHA é muito preocupante e pode refletir em déficit neurológico e visual.”

Segundo dados do Ministério da Pesca, o consumo anual de peixe no Brasil é de 9 quilos por habitante, bem abaixo do mínimo recomendado pela Organização Mundial da Saúde, de 12 quilos por habitante. A OMS, bem como outras entidades internacionais, recomenda a ingestão diária de DHA principalmente por crianças. “Até os cinco anos de idade o cérebro atinge 85% do seu tamanho final. É nessa fase que a alimentação, os estímulos e o carinho construirão as bases para um desempenho neurológico saudável que se refletirá por toda a vida,” reforça o Dr. Falcão.

O aleitamento materno também apresenta benefícios em longo prazo na diminuição dos riscos de doenças crônicas decorrentes da alimentação inadequada, como obesidade e hipertensão. Mas algumas mulheres não conseguem amamentar, nesses casos o médico ou o nutricionista são os únicos profissionais que poderão prescrever a fórmula infantil. “Esse alimento, embora não possa substituir o leite materno em suas propriedades imunológicas, possui os nutrientes corretos para a nutrição do bebê. Algumas fórmulas contêm inclusive o DHA em quantidades recomendadas pela OMS. Já leite de vaca é contraindicado para o consumo de crianças em fase de amamentação e não possui as características nutricionais adequadas para o desenvolvimento infantil,” comenta o médico.

Fonte: DSM – Bright Science. Brighter Living.™

7 comentários:

  1. Eu amamentei meu bebe e ainda amamento ele esta com 8 meses, o vinculo entre mãe e filho fica muito maior quando amamentamos, todas as vezes que ele vai mamar solta umas risadinhas que me emociona.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Kelen
      Primeiramente, parabéns por ser uma mãe tão zelosa e carinhosa para com o seu. Eu amamentei até o oitavo mês e pretendo repetir a dose novamente. Tenho certeza de que foi a melhor coisa que poderia ter feito pelo meu filho e essa ligação durante o amamentar é indescritível e emocionante. Realmente, eles nos contagiam com tanto amor e ternura.
      Beijos

      Excluir
  2. Adorei a materia!
    Confesso que quase nao me alimentei com peixe durante a gestacao, grande erro por minha parte!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não acreditooooo!!!!! Dani, eu como peixe até não querer mais. rsrsrsrs
      Mas te entendo e estou brincando, viu? Na gravidez ingerimos aquilo que conseguimos e toleramos.
      Beijossss

      Excluir
    2. Kkkkkk
      Eu gosto de peixe mas parece que qdo estou gravida meu cerebro bloqueia esse alimento....rs
      Enjoei de tudo, ate emagreco no inicio da gestacao....
      Mas agora dou bastante para meus babys....hehe

      Excluir
  3. Qdo tiver meu bebê vou amamentar até quando puder.
    Muita saúde!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, Lilian. Eu penso o mesmo. O meu pequeno amamentei até não aguentar mais e repetirei a dose com a pequena. Se Deus quiser!
      Beijosssss

      Excluir

Obrigada por comentar! Em breve, retornaremos! :-)

Siga no Google +

 
Copyright 2013 Mamães Vaidosas por Edi Mariano