quinta-feira, março 05, 2015


Colar de Âmbar

Muitas mamães tem me questionado quanto a eficácia do colar de âmbar e como tive a oportunidade de testa-lo tanto na Emmie, quanto no Eduardo, hoje deixo a minha breve impressão para vocês.

Antes de mais nada, algumas informações a respeito do âmbar:

O âmbar, resina fóssil de 40 milhões de anos de idade, é um remédio tradicional e natural, usado faz séculos na Europa, apreciado pelas suas propriedades analgésicas, anti-inflamatórias, cicatrizantes e imuno-estimulantes. Ele é leve e morno ao toque e não lembra em nada um colar de pedras tradicionais, normalmente frio e pesado.

Hoje, o colar de âmbar é usado no mundo inteiro para aliviar as sintomas associadas com a dentição do bebê: dor, febre, inchaço das gengivas, bochechas vermelhas, infecção de ouvido, assaduras, problemas de sono e inquietude.

Além da dentição, o colar de âmbar pode ter um efeito positivo sobre alergias, eczemas, erupções cutâneas, cólicas e doenças respiratórias e melhora o sono e a imunidade.

Como funciona? Quando o âmbar se aquece em contato com a pele ele libera quantidades vestigiais do óleo essencial natural contido no âmbar. A sustância ativa é chamada de ácido succínico e é bem estudado cientificamente. O colar pode ser usado dia e noite, também durante o banho e praia, para maior efeito terapêutico (por responsabilidade própria). O colar deve estar em contato com a pele, usado por dentro da roupa ou do pijama.

Segurança:

O fecho de segurança segundo norma europeia (que o bebê não consegue abrir) é desenhado para se quebrar ou abrir caso força excessiva for aplicada. Depois de cada conta tem um nó, em caso de ruptura só cai uma conta. As contas são pequenas demais e não apresentam risco de asfixia caso forem engolidas. 

Colar de Âmbar

Eu sempre tive curiosidade acerca deste colar e quando percebi que Emmie estava mais irritadinha e com a gengiva inchada, não pensei duas vezes para procurar um vendedor de confiança e compra-lo. Na ocasião, acabei aproveitando e comprando um colar para o Dudu também, e assim que os recebi no mesmo instante coloquei nos dois, e comecei a observar se haveria de fato uma mudança de comportamento. No Dudu foi automático, algo realmente surpreendente. Ele sempre teve o sono mais agitado, levava mais tempo para dormir, e desde que coloquei o colarzinho no seu pescoço, ele tem dormido muito mais rápido e de forma tranquila e serena. Praticamente parou de ficar trombando nas laterais da cama, dorme melhor, tem o sono profundo e muito raramente acorda à noite. Também senti uma melhora nítida no seu comportamento durante o dia, tenho o visto muito mais calmo, atencioso e sem aquela aflição e ansiedade de querer fazer tudo na hora, típica da faixa etária dos 4 anos. Enfim, para ele o colar caiu como luva e continuarei usando dia e noite, sem dúvidas. 

Colar de Ambar

Já com a Emmie, eu imaginei que ele funcionaria da mesma forma, mas nem sempre o que serve para um vai servir para o outro, certo? Então, no caso da bebê, eu percebi que ele também ajudou, mas não tanto como foi com o irmão mais velho. Também pode ser pelo motivo de eu não deixar o colar no pescoço dela 24 horas/dia, como faço com Dudu. Isso porque a considero muito bebê, não sabe falar, reclamar e tenho muito medo de que ela asfixie ou coisa do gênero. Então ela passa o dia com o colar e durante a noite o removo e só volto a colocar no dia seguinte. Pode ser que com a retirada, ele não libere quantidade suficiente do ácido succínico para o seu organismo e consequentemente tenha um efeito menor. De qualquer forma eu senti melhora, mas nada que a deixasse livre do incomodo da primeira dentição ou que a fizesse dormir melhor.

Outro detalhe, é que durante o banho eu removo o colar dos dois, para evitar que o cordão apodreça ou mesmo que fique úmido no pescoço das crianças. Dou o banho normalmente, seco a pele e somente depois de vestidos, volto a coloca-lo. 

Enfim, em relação à eficácia, percebi sim que ele ajuda no comportamento, que deixa a criança mais tranquila e que o âmbar realmente age de forma terapêutica. O que não posso afirmar é que ele isente a criança dos sintomas da primeira dentição e que corrija o sono dos bebês. E diante do resultado e da proposta do âmbar, continuarei usando nas crianças e torcendo que os efeitos com a Emmie se intensifiquem e que ele a ajude ainda mais.

Se vocês me perguntassem se vale a pena o investimento, eu diria que sim. Uma porque como eu disse, não posso garantir que o efeito seja o mesmo que obtive com os meus filhos, e para ter certeza da forma que ele funcionaria com as crianças de vocês, somente testando. Outra porque se ele funcionar como foi com Dudu, ele proporcionará alívio imediato para a criança, a livrando da ansiedade e irritação, e consequentemente gerando maio tranquilidade para os pais.

Um alerta para quem procura pelo colar para aquisição, é tomar muito cuidado com as falsificações. Há muitos picaretas oferecendo falsificações que além de não terem efeito terapêutico nenhum, ainda oferecem risco à saúde das crianças justamente pela não confiabilidade de sua procedência e pelo risco de ingestão das contas do colar.

Por aqui, eu comprei com a Domi do IG @instababydicas que é minha amiga e trabalha somente com produtos certificados.

Espero que as dicas e o meu depoimento tenha ajudado e quem comprar, por favor, volte para me contar o que achou da experiência.

Um beijo,

#Ambar
#ColardeAmbar



4 comentários:

  1. que lindinha a Emmie de colarzinho! *-*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, querida!!!
      Viu que fofura?
      Puro charme, né?
      Beijinhos

      Excluir
  2. Adorei as especificações do colar, pois meu guri tem o sono agitado mas confesso que tenho medo de comprar e ele se recusar para usar.... Serve para os adultos também?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amiga, ele serve em adultos somente como pulseira! A seu filho vai usar, sim!! Ele é neutro e não interfere em nada. Usa como pulseira se não topar como colar!

      Excluir

Obrigada por comentar! Em breve, retornaremos! :-)

 
Copyright 2013 Mamães Vaidosas por Edi Mariano