quinta-feira, março 19, 2015


Cuidados com o bebê prematuro

Como passei pela experiência da prematuridade e vi o quanto os bebês que nascem nesta situação precisam de maior cuidado e atenção, listei abaixo alguns pontos que podem ajudar a mamãe de primeira viagem a vencer o medo e cuidar direitinho do seu bebê.

Como considerar a prematuridade?

Bebê prematuro é aquele que nasce com até 36 semanas e seis dias de gestação e também pode ser chamado de pré-termo. 

Classificações de acordo com a idade gestacional:

Bebê prematuro limítrofe: nascido entre 37 e 38 semanas.
Bebê prematuro moderado: nascido entre 31 e 36 semanas.
Bebê prematuro extremo: nascido entre 24 e 30 semanas.

Exames a serem realizados, normalmente solicitados e encaminhados pelo pediatra:


- Teste do pezinho - Com algumas gotas de sangue colhidas do calcanhar do recém-nascido, o teste permite diagnosticar precocemente oito doenças, entre metabólicas, congênitas e infecciosas. A triagem deve ser feita entre o terceiro e o sétimo dia de vida do bebê e normalmente é realizado ainda na neonatal, justamente pelo bebê estar internado.

- Otorrinolaringologia/Fonoaudiologia - teste de emissões Otoacústicas, ou seja, o teste da orelhinha - seu objetivo é detectar a ocorrência de deficiência auditiva, já que as emissões otoacústicas estão presentes em todas as orelhas funcionalmente normais. Em alguns estados, esse exame é realizado ainda no hospital, mas é muito válido conferir no laudo de alta do bebê e confirmar a sua realização junto ao pediatra. Se necessário, ele deverá ser repetido de acordo com o retorno agendado pelo médico.

- Fonoaudiologia - Teste da linguinha - O objetivo do exame é detectar se existe alguma alteração no chamado frênulo, membrana que liga a língua à parte inferior da boca – também conhecido como freio. A alteração pode gerar a popular língua presa, dificuldades na fala e comprometer a alimentação e sucção do bebê no momento da amamentação.

- Oftalmologia - Exame de retina para checar a ocorrência de retinopatia de prematuridade - que é o crescimento desorganizado dos vasos sangüíneos que suprem a retina (camada mais interna do globo dos olhos) do bebê. Esses vasos podem sangrar e, em casos mais sérios, a retina pode descolar e ocasionar a perda da visão da criança. Outro fator que pode desencadear a retinopatia de prematuridade é baixo peso e o uso indevido do oxigênio na neonatal. O médico precisa avaliar precisamente o nível de oxigênio de forma que poupe a vida do bebê e não comprometa a sua visão. Este exame deverá ser repetido conforme a primeira avaliação e recomendação do oftalmologista.

Vacinação:

Os bebês prematuros seguem uma vacinação específica, que será orientada pelo pediatra, em geral seguindo a sua idade cronológica. Normalmente a BCG é aplicada após o bebê completar 2kg, mas isso vai depender da avaliação do seu pediatra.

Cuidados:

Após alta hospitalar, os pais serão orientados a procurar um pediatra de confiança para seguir uma rotina totalmente diferente das crianças que nascem a termo. Isso porque o bebê prematuro exige muito mais atenção e cuidados redobrados, em específico com a restrição de contato físico (sem visitas), higiene da sua pele delicada e sensível, temperatura corporal (o bebê costuma ter dificuldades em manter a temperatura do corpo, devido ainda não ter depósitos de gordura), alimentação (necessidade de complemento ou amamentação materna exclusiva), vitaminas e uso de medicamentos quando prescritos. 

Banho no prematuro:

O banho deve ser realizado no mesmo ambiente em que o bebê está acostumado a ficar, de modo geral, no seu próprio quarto, sem correntes de ar e se necessário com o auxílio de aquecedor para manter uma temperatura agradável e mais quentinha. Um truque para não deixa-lo passar frio, é dar o banho enroladinho no cueiro, abrindo somente as partes nas quais precisarão sem lavadas e na sequência o enrolando novamente, garantindo assim a sua estabilidade corporal e conforto. 

Umbigo:

Normalmente o umbigo do prematuro cai no hospital, mas caso não aconteça, a mamãe será orientada e saberá exatamente o que fazer para cuidar.

Ganho de peso:

O ganho de peso deverá ser constantemente monitorado, assim como a estatura, crescimento cefálico e acompanhamento do fechamento da moleira de sua cabecinha.

Desenvolvimento:

Em relação ao seu desenvolvimento, o pediatra estará alertando e explicando aos pais, que a criança seguirá uma "tabela de acompanhamento" distinta das crianças nascidas a termo. Nela, ele seguirá a idade corrigida e não a idade de nascimento. Ou seja, se a criança nasceu com 33 semanas, ele passará a contar que a criança nascerá dali a 7 semanas (ao completar 40 semanas) e enquanto isso, manterá cuidados como se a criança ainda estivesse na barriga da mamãe. Em outras palavras, sem visita, sem contato físico, ficando restrito ao ambiente de seu quartinho, devidamente higienizado, na maior parte do tempo dormindo e se recuperando. Depois de completar as 40 semanas, a idade continuará a ser corrigida até o pediatra constatar que a criança já alcançou o desenvolvimento da sua faixa etária. Isso pode ocorrer até mesmo quando a criança completar 2 anos de vida. Cada situação caminha de uma forma e não adianta os pais se cobrarem ou fazerem comparações com outras crianças.

Fisioterapia:

O pediatra avaliará a necessidade ou não de acompanhamento com fisioterapeuta e tratamentos direcionados.

Exames cardiológicos:

A serem considerados pelo pediatra de acordo com o desenvolvimento e estado de saúde do bebê.

Observações:

É muito comum o bebê prematuro apresentar alergias a diversos tipos de produtos de higiene. Isso ocorre devido a sua pele ser extremamente frágil e delicada. Por isso, deve-se utilizar produtos específicos e preferencialmente os indicados pelo pediatra.

Intolerância alimentar:

Também ocorre com grande frequência a intolerância a lactose e mais ainda a APLV - alergia a proteína do leite de vaca. Neste caso, a mamãe que estiver amamentando deverá retirar de sua dieta todo e qualquer alimento com qualquer traço de leite e seus derivados. Ex - queijo, iogurte, pães, bolos, salames. Para o caso de APLV mesmo os alimentos lacfree são totalmente proibidos. Havendo a necessidade de complemento para o bebê, o pediatra prescreverá fórmulas específicas para intolerantes.

Os pais devem ter muita cautela quanto a sua higiene e jamais tocar no bebê com as mãos sujas, principalmente se acabaram de chegar da rua. Fazer a assepsia com sabonete antisséptico e utilizar álcool para finalizar a higienização.

Enfim, por ora, esses são alguns pontos os quais consegui me recordar. Lembrando de mais detalhes, volto aqui e complemento para vocês!


Espero que ajude! Lembrando que nada, absolutamente nada, substitui uma consulta com o pediatra, ok?

Alguma dúvida?


Beijos



2 comentários:

Em breve responderei o seu comentário! Obrigada :-)

 
Copyright 2013 Mamães Vaidosas por Edi Mariano