segunda-feira, março 16, 2015


Real Moms


Real Moms

Se a mulher em si já é uma multifuncional, a mãe então abraça o mundo e não tem nem a oportunidade de dividir as tarefas ao longo do tempo. Tudo tem que acontecer ao mesmo tempo, no mesmo horário e sem a possibilidade de negociação. E não fosse a sobrecarga, ainda temos que lidar com a cobrança do trabalho, das contas que não param de chegar, passar por cima de tudo isso e ter disposição, paciência e amor para dedicar-se à família, aos filhos e ao marido. Essa tarefa não é fácil e confesso que ultimamente estava me sentido a pior mãe do mundo, por não dar a atenção que deveria para Eduardinho e ficar praticamente 24 horas colada na Emmie. Isso porque bebê exige muito mais da gente, e quando estamos amamentando então, a situação torna-se praticamente incontrolável, e nestas horas, penso eu que a rotina jamais deveria. Por aqui, perdi as contas de quantas vezes parei tudo o que estava fazendo e comecei a chorar, por cansaço, desespero e insegurança de não conseguir fazer tudo e desempenhar o meu papel principal, o de mãe e esposa. Eu olhava ao meu redor e ficava desesperada querendo resolver tudo de uma vez só, sabendo que tinha horário pra alimentar as crianças, dar banho, auxiliar no dever de casa, e ampara-los e auxilia-los em tudo que fosse necessário e possível. 

Muitas vezes eu parava pra pensar e ficava imaginando se todas as mamães passavam pelo mesmo, e se estariam enfrentando as mesmas situações, os mesmos dilemas, se sentindo tão perdidas e inseguras como eu. E chegando nesta fase, comecei a desabafar com o meu marido, o melhor ouvinte e psicólogo que eu poderia desejar, e ele começou a me mostrar que tudo que está acontecendo é uma fase, e que grande parte da minha irritabilidade, insegurança e medo vem a ser ocasionada por não dormir direito, não conseguir descansar e me desligar de tudo que acontece por aqui. E realmente ele tem razão. A cabeça da gente vira um turbilhão, não para nunca e isso enlouquece a qualquer um. Então para não surtar, hoje eu tento me desligar, começo a pensar nas coisas boas, nos momentos felizes que vivo com a minha família, penso na evolução da Emmie, na sua vontade de falar, de querer acompanhar o irmãozinho e de interagir mais com a família. Penso no sorriso do Dudu quando consegue desenvolver alguma atividade que vem aprendendo ao longo do tempo e na sua forma de se relacionar com as pessoas na rua, me orgulhando e me enchendo ainda mais de amor. 

Atualmente, quando estou pra morrer de cansaço, penso no sorriso gostoso da Emmie e nos seus miados noturnos como fosse um gato atrás do seu prato de leite. Começo a cair na realidade e enxergar que não existe família perfeita, que não existe família ideal e que não há como comparar a realidade da nossa casa com a casa do vizinho. Cada família é única, tem suas particularidades e suas dificuldades também. Por isso não há motivos para nos cobrarmos e nos culparmos, achando que somos as piores mães, que há mãe melhor no mundo e que estamos deixando a desejar. 

O que existe são mães reais, de carne e osso, com rotinas, desafios, aprendizados e além de tudo, com a responsabilidade de criar a família da melhor forma possível e compartilha-la com o mundo. Então, se eu vejo que não darei conta de tudo, eu combino com o meu marido e suspendo o almoço, suspendo o jantar, mudamos os planos e fazemos o possível e o impossível para tornar tudo mais leve e tranquilo para todos nós. Quando eu começo a ficar nervosa, irritada, penso que preciso reorganizar as prioridades e respeitar o meu relógio biológico, tentando descansar mais, dormir em horários alternativos e pedir ajuda para não perder o controle da situação e cair no caos. Ninguém vai deixar de ser mãe porque fez menos ou porque teve que mudar os planos. Não existe a possibilidade de nos tornarmos péssimas mães porque estamos cansadas e sem dormir. O que existe é o verdadeiro retrato da família atual, lidando com os erros e acertos, com o novo e inesperado, e com a força de vontade de querer dar o seu melhor sempre, indiferente se tem forças para aquilo ou não. Nós mamães fomos contempladas com o maior tesouro que poderíamos ganhar, a maternidade! Por isso, precisamos nos apegar somente com o que nos faz bem e acreditar que temos a capacidade de criar os nossos com amor, com respeito e dedicação. E quando o cansaço ou a dúvida bater, basta olhar para o sorriso mais puro e ter a certeza de que estamos fazendo o melhor sempre, e o resultado está ali, visível aos nossos olhos e aos do mundo. Mãe é especial, é iluminada, é única e não merece ser comparada, e sim respeitada e amada. Por isso, mamães, antes de esperar alguma coisa dos outros, vamos fazer isso por nós? Vamos nos amar e acreditar que somos boas o suficiente para os nossos e que não precisamos fazer comparações? Afinal, mãe não precisa ser perfeita, precisa ser real! 

Mãe é como o Baby Dove ilustrado acima, delicada mas eficaz, para cuidar dos mais sensíveis aos mais fortes. 



Beijos 



#ConfieNoSeuJeito #BabyDoveBrasil 





6 comentários:

  1. Edi, que cartase sensacional!!!! Exatamente assimmmmm!!! Somos reais e não perfeitas e chega de comparações...ô troço chatooo!!! AMEIIII seu texto e que seja lido por mts mulheres reais e assim juntas através de energia/pensamento deixar a vida mais leve, confortável e feliz! Bjssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, amiga! Tudo o que penso e sinto por aqui! <3

      Excluir
  2. Que linda mensagem vc deixou para as mamães - e pq não, para as mulheres em geral?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aruanda, sua linda! Muito obrigada pelo carinho! Fico muito feliz que tenha gostado!
      Beijossss

      Excluir
  3. Aplausos..... Temos essa tendência de exigir demais de nós mesmas, queremos a perfeição e se não alcançamos ficamos frustradas, é muito bom acordarmos e vermos que essa perfeição que buscamos não existe e que fazemos o nosso melhor.... eu ando na filosofia VOU FAZER COM AMOR, mesmo que seja uma coisa que eu odeio mas, vou fazer com amor pois fica muito mais fácil e leve.... Se um dia a gente não deu conta, amanhã a gente dá e assim vai pois a única coisa nesse mundo que importa mesmo é o bem estar da nossa familia, estou numa idade que o que os outros falam não me faz nenhuma diferença, só o que for para me elevar, para me tornar alguém melhor, como um texto desse que só nos mostra que não somos diferentes e sim HUMANAS....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amiga, arrasou no comentário! Aplausos de pé para você!!!!! Somos humanas, de carne e osso, temos sentimento, limitações e sentimos cansaço! Se der pra fazer no dia, ótimo, se não deu, bom também, e melhor ainda é o amor pelos nossos!!! Estou praticando a paciência e a abstração em várias situações e tenho me sentido muito melhor por aqui. Fazer com amor, sempre!!!!
      Beijossss

      Excluir

Obrigada por comentar! Em breve, retornaremos! :-)

 
Copyright 2013 Mamães Vaidosas por Edi Mariano