sexta-feira, fevereiro 02, 2018


Sobre os efeitos da AUTOCOBRANÇA

Mal começou o ano e é nítido o excesso de autocobrança que boa parte das pessoas já está. Não por menos, pois muitas vezes estão, há décadas, tentando conquistar algo sem êxito. Como iniciar a dieta, começar as atividades físicas, ou usufruir mais tempo com a família. E, exatamente por isso, que já começo esse artigo com uma das bases da Programação Neurolinguística (PNL) e da Hipnose que norteiam o meu trabalho: atitudes iguais geram resultados iguais. Se você quer ter um resultado diferente, independente de qual seja o seu objetivo, então tenha atitudes diferentes. Até porque, se somente a sua autocobrança fosse fazer algo por você, com todo o tempo que você já se cobra, ela já teria feito, concorda?

Logo, para começar a ter atitudes diferentes, o primeiro passo é deixar de se cobrar desse jeito, pois isso só gera tensão e enrijece todo o seu corpo. Aqui vale lembrar que o cérebro também, e tenso ele não vai produzir nada de bom.

Segundo passo, você precisa compreender o funcionamento da sua mente, para assim conseguir o que quer. E nesse cenário, é preciso entender um sistema da nossa mente que é responsável pelo nosso foco. Sabe quando você compra um carro e começa a ver dezenas do mesmo carro nas ruas? Ou quando vai ser mãe/pai e vê várias gestantes? Então essa função do foco acontece automaticamente, mas se você não está alcançando um objetivo então temos de calibrá-lo.

Por isso, pergunte-se: "Qual é o meu objetivo?" (objetivo é aquilo que você quer, pode ser saúde, estética, dinheiro, trabalho, relacionamento, etc.). Depois pergunte-se: "Quais são as dificuldades que enfrento ou posso enfrentar para alcançá-lo?". E, liste pelo menos três. E, nesse momento reflita nos seguintes questionamentos: Quando você pensa no seu objetivo, o que vem primeiro a sua mente? Onde está colocando o seu foco? No que deseja ou nas dificuldades?

Possivelmente a sua resposta é em uma das dificuldades. De nada adianta ficar se cobrando, pois você não vai conseguir sair do lugar desse jeito. Agora, para mudar, você pode usar uma técnica rápida e fácil - a palavra MAS. Sim! Simples assim!

Costumamos usar a palavra, MAS de maneira incorreta, pois ela serve como um "apagador" mental e tudo o que vem antes dela não será considerado pela sua mente. Ou seja, se eu disser, por exemplo que o meu objetivo é fazer uma faculdade e penso "Eu quero fazer uma faculdade, MAS é cara" ou "Eu quero fazer uma faculdade, MAS não tenho tempo", a sua mente vai ressaltar apenas o que vem depois do, MAS. Repita essas frases e perceba que até a sensação é ruim e isso ficará em destaque na programação mental. Agora pense na frase ao contrário. "É cara, MAS eu vou fazer a faculdade" ou "Eu não tenho tempo, MAS eu vou fazer a faculdade".

Percebe a diferença? Até a sensação muda!

Use sempre a regra, deixe a dificuldade na frente da frase + MAS + o que você deseja! E comece a programar melhor a sua mente. Acredite, essa pequena dica já pode produzir mudanças em vários aspectos à sua vida. Faça! O que tem a perder? Ao contrário, irá ganhar muito!

E lembre-se sempre, a sua mente não está contra você, ela pode estar apenas mal programada.

*Mariana Vieira - Hipnoterapeuta clínica, com certificações internacionais pela ABH – The American Board of Hypnotherapy e Instituto Milton H. Erickson (USA), especialista em Programação Neurolinguística com certificação da The Society of NLP™ e Psicoterapeuta Transpessoal, iniciou sua atuação no desenvolvimento humano em 2004 atuando como voluntária em ONGs descobrindo-se uma apaixonada pela complexidade da mente humana o que lhe fez descobrir seu propósito no mundo: o de apoiar as pessoas a encontrarem o caminho do equilíbrio e de uma vida saudável, no âmbito profissional e pessoal.

Serviço:

Roma Terapia
Telefone: (11) 4107-6661

0 comentários:

Obrigada por comentar! Em breve, retornaremos! :-)

 
Copyright 2013 Mamães Vaidosas por Edi Mariano